terça-feira, 25 de junho de 2013

Grand Bazaar

O Grand Bazaar é um mercado onde se vende todo tipo de artesanato Turco. Caminhar pelos seus labirintos e passear entre as inúmeras lojinhas é uma verdadeira viagem no tempo!








domingo, 23 de junho de 2013

Istambul - Primeiro dia

No meu primeiro dia em Istambul, encontrei esse simpático vendedor de chá.


A garrafa de chá fica presa nas costas dele. Para servir o cliente ele precisa se curvar.


O chá de cereja e canela é delicioso! E custa baratinho, duas liras.

sábado, 15 de junho de 2013

De passagem por Dubai

Depois de oito horas de vôo, Shanghai/Dubai, aqui estou eu à espera do avião que parte amanhã para Turquia. Enquanto isso, vamos aproveitar Dubai por esta noite....e comer falafel, claro!


E aqui está o maior elevador que eu já andei na minha vida! Eu já havia falado sobre ele no post da viagem de Dubai mas não tinha colocado nenhuma foto dele. Agora, que voltei ao aeroporto, aproveitei para registrar o quanto ele é grande!



segunda-feira, 10 de junho de 2013

Fuso horário

Aqui em Shanghai estamos na primavera e aos poucos o verão se aproxima. Os dias vão ficando mais longos e as noites mais curtas. O sol, nessa época, começa a nascer mais cedo e se põe cada vez mais tarde. Por volta das 4 da manhã já é dia e somente às 7 da noite é que começa a anoitecer. Com os dias mais longos, o relógio biológico dos chineses (e o meu também) muda! Não tem erro, quanto mais sol, mas disposição! São 15 horas de sol contra somente 9 horas de noite, o dia rende muito! Cabem quase duas jornadas de trabalho em um dia de sol!

Uma curiosidade sobre a China é que o país inteiro adota um único horário. O território chinês abrange 4 fusos horários mas o governo determina que o país inteiro adote a hora de Pequim, ignorando as convenções mundiais de data e hora no mundo. Tal medida faz com o nascer do sol seja às 4 da manhã, aqui em Shanghai, enquanto no oeste do país o dia só amanhece às 9 da manhã!

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Negociação (quase) impossível!

Logo no primeiro ano que cheguei em Pequim, comecei, imediatamente, um curso de mandarim para se adaptar mais facilmente à China. Sempre busquei falar o idioma local, por mais que me parecesse impossível.

Em um dos meus primeiros passeios, após o início das minhas aulas de chinês, fui, com meu marido, ao Panjiayuan, o famoso mercado de antiguidades de Pequim.

Depois de comprar em diversas quiosques do mercado e negociar, bem ou mal, com o meu pouco mandarim da época, cheguei a um quiosque onde o simpático vendedor tinha estátuas dos três reis da China. Após uma breve conversa, meu marido e eu decidimos que iríamos comprar e partimos para a negociação. Vale lembrar que aqui na China os produtos nos mercados não tem preço e devem ser negociados. Não se começa uma negociação se não tiver o real interesse de comprar. Essa é uma regra básica em respeito ao vendedor.

Comecei a barganhar porque se deixasse nas mãos do meu marido, ele levaria pelo triplo do preço. O problema é que começou a ficar difícil a negociação. O vendedor muitas vezes me ignorava e por mais que eu me esforçasse para falar mandarim ele parecia não me entender. Comecei a ficar irritada com aquela situação. “Que cara mais chato!”- pensei. “Porque todo mundo fazia um esforço para se comunicar comigo ainda que o meu mandarim não fosse claro, mas aquele antipático insistia em mostrar a calculadora para negociar e me ignorava cada vez que eu propunha um valor!”

Meu marido, que adora tirar onda comigo, falou : “ O teu chinês tá é ruim! (risos). “Ah, paciência, eu acho que quem não fala mandarim é esse chinês, tô fazendo tudo direitinho!” - pensei.

Depois de muito tempo de discussão, só eu falando e o vendedor insistindo em não dar uma palavra comigo, uma senhora, esposa do então vendedor, foi chegando na barraca e me disse: “Pode resolver comigo, ele é surdo e mudo!”. Quase morri de vergonha! Tadinho do moço tava tentando me mostrar a calculadora no afã de poder ajudar!!! Nunca mais, por mais que a situação seja óbvia, eu vou julgar os chineses, sempre tão simpáticos e solícitos. Comprei as três estátuas dos reis, dei um abraço no vendedor, pedi desculpas e ainda ganhei desconto!












segunda-feira, 3 de junho de 2013

Flores e grilos

Muitas pessoas elogiaram o fato do meu marido ter bom gosto e saber dar presente. De fato, ele sabe fazer isso como ninguém! No entanto, eu vou aproveitar que ele está agora em um longo vôo, Brasil/China, e não vai ver meu blog, para falar do PIOR presente que ele já me deu!
 
Certamente, vocês já devem ter ouvido falar sobre a popularidade dos grilos aqui na China. Os bichinhos são criados como animais de estimação pelos chineses que acreditam que eles trazem alegria e boa sorte. O canto dos grilos também é outro motivo que faz com que os chineses sempre mantenham um grilo como companhia, seja em uma gaiolinha em casa, no trabalho ou até mesmo dentro do bolso!
 
O meu marido, que adora fazer parte da cultura chinesa, resolver criar grilos, mas não me falou nada. Saiu para passear na cidade com meu filho e voltou horas depois com um presente para mim, orquídeas! Chegou em casa, todo feliz e foi logo me contando que tinha comprado as flores e que tinha colocado na sala. Porém, segundo ele sem maldade, esqueceu de me avisar que tinha comprado também no mercado de flores, dois grilos.
 
Fui toda feliz arrumar minhas flores e, para a minha surpresa, tinham duas pequenas cestinhas de palha super bem posicionadas entre as folhas das orquídeas. Pensei imediatamente que além das flores tinha também mais um presentinho surpresa escondido para mim! Quando peguei a cestinha de palha na mão, que é toda vazada, e olhei bem de pertinho, para ver o que tinha dentro, vi aquele grilo enorme olhando nos meus olhos. Eu, exagerada como sou, dei um grito enorme e joguei o pobrezinho do grilo muito longe. Depois tivemos até dificuldade para encontrá-lo!
 
Passado o susto, claro que o meu marido ouviu muito!!!! Como pode? Colocar dois grilos feios nas minhas flores! As orquídeas acabaram sem surtir o efeito esperado, claro, e viraram morada dos grilos! Quanto ao grilo arremessado, posso dizer que ficou bem. Ele e seu companheiro ganharam os nomes de Kriket e Kroket. Cantavam alto e bonito. Mas confesso que a casa ficou com trilha sonora de brejo! E como tudo é uma questão de adaptação, quando meu marido estava muito ocupado, lá ia eu colocar cenoura e água para eles! Como as coisas mudam!!!! 
 
 
Aqui está uma foto de um grilo (qualquer) bem de pertinho! Esse não está dentro de uma cestinha, mas sim em uma gaiola e dá para ver bem que tem um grilo ...
 

....porém, o problema é quando eles estão dentro de cestinhas como essas que não se consegue ver o que tem dentro a menos que se coloco o olho quase dentro da cesta, que foi o meu caso!