sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Sentosa Island

Quem me conhece sabe que eu amo uma praia. Mesmo quando o destino turístico não é um paraíso tropical eu dou meu jeito de descobrir um lugar na areia em frente ao mar.

Em Cingapura, Sentosa Island é um complexo turístico de veraneio todo construído pelo homem. A praia é artificial mas cumpre bem a sua função que, dentro do parque, funciona como coadjuvante diante das inúmeras atividades de entretenimento que a ilha oferece.

O empreendimento é composto basicamente pelo Siloso Point, Imbiah Lookout, Serapong e as praias.

No Siloso Point é possível visitar o Aquarium e um Forte. O Imbiah Lookout  possui 11 atrações como tirolesa, borboletário, kart, cinema 4-D, museu, exibição de pássaros e outros. O Serapong é onde ficam o clube de golf, restaurantes e a maioria dos 15 resorts e dos 7 spas do complexo. E contornando parte do empreendimento um litoral de 3.2 km com atividades como kayak, jetski, volei de praia e surf. Como se não bastasse existe um Universal Studios dentro do complexo.

Esses são os mapas do complexo






E aqui as praias!







terça-feira, 26 de novembro de 2013

Entrega Especial

Tem coisas que de fato só acontecem na China. A combinação segurança e loucura da cabeça de um chinês compõem essa história.

Em Beijing, às vésperas de mudarmos para Shanghai, decidimos, meu marido e eu, comprar uns móveis novos para incluir na mudança. Escolhemos uma loja de móveis tibetanos maravilhosos. A loja era muito simples mas as peças eram realmente incríveis.

Escolhemos um charmoso móvel, uma espécie de mini guarda-roupas, através do catálogo que o vendedor nos apresentou. Pagamos pela mobília e ficamos de buscar a peça no dia seguinte ao final da tarde. Como sempre, nos atrasamos um pouquinho e a pontualidade e paciência chinesa não permitiram que o vendedor nos esperasse. Chegamos na loja uns quinze minutos atrasados e ela já estava fechada. O móvel? Bem, o móvel o vendedor deixou na calçada! Para quem duvidar da minha história, aqui está a foto.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Roda da Fortuna



Um dos principais pontos turísticos de Cingapura é, sem dúvida, a Singapore Flyer e foi o primeiro, claro, que fui visitar.

A Singapore Flyer é a maior roda gigante do mundo! Muito mais que um simples brinquedo de parque, ela foi construída para trazer sucesso e prosperidade para a cidade.

Inaugurada em 2009, a atração conta com 28 cápsulas, cada uma com capacidade para 28 pessoas. O número oito em chinês soa como prosperidade e 28 quer dizer fácil de prosperar! Logo após sua inauguração, especialistas afirmaram que a roda da fortuna não estaria cumprindo o seu papel e que vinha, na verdade, afastando dinheiro do país! Tudo isso começou a acontecer porque a roda não girava de acordo com os princípios do Feng Shui. Segundo essa técnica milenar de harmonização, a roda, que foi construída em uma linha reta com o centro financeiro de Cingapura, girava no sentido errado como se levasse o dinheiro e a fortuna embora da cidade. A solução, portanto, foi, imediatamente, inverter o sentido em que ela girava. Então mudaram a direção da roda e fizeram uma nova inauguração!

De cima dos 165 metros de altura da roda é possível se ter uma vista incrível da cidade! O maravilhoso Hotel Marina Bay Sands (aquele hotel que tem um barco no topo), o Merlion Park e o Raffles Place também podem ser vistos do alto da roda. Na verdade, lá de cima é possível se avistar até mesmo a cidade de Kuala Lumpur, na Malásia!

Dentro de cada uma das enormes cápsulas a vista é de 360 graus! Cada volta da roda leva 30 minutos e justamente por ser tão lenta a rotação, praticamente não se percebe o movimento. O passeio é tão agradável que existe um serviço onde é possível alugar uma cápsula para um jantar romântico!

O preço do ingresso custa cerca de R$ 45,00 e a atração é aberta de 8 da manhã as 10 da noite. Escolhi fazer o passeio durante o dia, mas certamente a cidade iluminada à noite deve compor uma belíssima vista.


Dentro da cápsula


Foto tiradas do alto da Singapore Flyer

As duas cúpulas de vidro, à direita, à margem da baía, juntamente com aqueles enormes "cogumelos" que parecem torres, fazem parte do gigantesco complexo do Spectacular Gardens!






Marina Bay e o CBD

O impressionante Marina Bay Sands Hotel, à esquerda, com o barco no topo das torres.

E o trânsito organizadíssimo da cidade.



terça-feira, 12 de novembro de 2013

Cingapura



Para quem quer conhecer a Ásia, o melhor lugar para se começar, sem dúvida, é por Cingapura. A cidade é capaz de oferecer o conforto do Ocidente, falar inglês e ainda assim manter boas amostras da Ásia mais profunda.

Viajei para Cingapura no meio do ano passado e desde de então me apaixonei! Na minha opinião, esse é o melhor lugar na Ásia para morar!

Rica, desenvolvida, segura e com uma excelente infra-estrutura, a cidade se reinventa a cada dia. Um lugar que não para de crescer, mas em momento algum perde o verde, que se espalha pelas ruas, parques e jardins. Possui um seríssimo controle de poluição e um exemplo disso é o preço elevadíssimo para se conseguir ter um carro e poder dirigí-lo.

Tudo por lá é levado muito à sério. Quem não já ouviu falar da multa por jogar lixo no chão? Em Cingapura, não se pode jogar absolutamente nada fora da lata de lixo, nem cuspir (coitados dos chineses), nem vender  e nem consumir chiclete! Tem quem não acredite, mas desde de 1992 o chiclete é simplesmente proibido por lá! Tudo isso para manter a cidade limpa!

Cingapura também é conhecida por ser moradia de milionários. Sua população é a quarta mais rica do mundo! O segredo da prosperidade, segundo os próprios moradores, se resume a seguinte combinação: disciplina e educação. Em um país absolutamente sem corrupção e com suas inúmeras proibições, tudo funciona com perfeição! O resultado de tudo isso é visto em cada esquina da cidade.

À partir de hoje, mostrarei um pouquinho dessa encantadora viagem para o lugar que é o meu conceito de futuro.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Minha Cara China

As pessoas geralmente tem a idéia de que a China é absolutamente barata e que tudo por aqui custa uma pechincha. Bem, na verdade não é bem assim. Posso dizer que existem duas Chinas, uma para o chinês, onde normalmente tudo é muito barato, quando comparado aos preços do resto do mundo ocidental, e uma outra China, para os estrangeiros, com preços que variam de acordo com o poder de se comunicar em chinês!

Quando um estrangeiro, falando ou não mandarim, vai a um mercado, feira ou qualquer estabelecimento comercial que não tenha preços previamente anunciados, ele terá que negociar bastante para conseguir um preço pelo menos razoavelmente próximo ao que o vendedor daria de cara a um cliente chinês. Talvez porque o chinês tenha a péssima mania de achar que todo estrangeiro é rico! Ou talvez porque, de fato, todo ocidental ache a China muito barata, quando comparada ao seu país de origem, e acaba pagando qualquer preço absurdo que o vendedor lhe oferecer, achando uma pechincha.

Se o cliente estrangeiro falar um pouquinho de mandarim a coisa muda de figura. É como se dissesse: "Eu moro aqui e sei quanto isso custa!". Por isso, para quem é gringo, quanto mais se fala, mais barato o preço fica.

Em qualquer negociação que um turista, ou mesmo um morador estrangeiro aqui na China, precise fazer, o ideal é mostrar um pouco do que é capaz de falar, se quiser pagar menos. Aprendi essa máxima nos primeiros meses de China e coloco em prática sempre que saio de casa. No entanto, existem situações em que o estrangeiro precisa recorrer à serviços prestados em inglês e aí não tem jeito, é preparar o bolso. Escola, moradia e atendimento médico são normalmente super, mega, ultra inflacionados para os estrangeiros.

Por mais que eu me esforce, ainda não me sinto capaz de ser atendida somente em mandarim. Para não colocar em risco a minha saúde e da minha família eu, e praticamente todos os estrangeiros na China, recorremos a um hospital internacional que, normalmente, oferecem um excelente serviço. O problema é o preço.

Semana passada fui ao oculista e paguei por um exame 1.050,00 RMB que correspondem a cerca de R$ 395,00. Comentando com uma amiga chinesa, sobre o preço que me custou a consulta, ela disse que, no melhor hospital chinês de Shanghai, ela pagou, há um mês, 9,00 RMB por uma mesma consulta, cerca de R$ 3,37. Segundo essa amiga, o médico era excelente, como é a maioria dos médicos locais. O problema é que, normalmente, são objetivos demais beirando à rispidez. Bem, então, na minha consulta ao oculista, a simpatia e o atendimento em inglês do médico me custaram R$ 390,00!


sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Cats in Shanghai

Em 2009 o musical Cats começou a ser apresentado oficialmente na China. Coincidentemente, o ano em que eu cheguei por aqui.
Esta semana decidi ver o musical.
Apesar dessa apresentação em Shanghai não ter uma orquestra ao vivo, o papel de gatos caíram muitíssimo bem para os corpos ágeis e esbeltos dos chineses!
Consegui fazer uns filmes da apresentação (acho que um dia eu ainda acabo presa!).
No primeiro, um trecho dos gatos dançando juntos e no segundo a belíssima interpretação de "Memory". Curtam!